Rimene Amaral

Caçarolices

Rimene Amaral é jornalista, fotógrafo e glutão. Quando não está se dedicando a alguma destas tarefas, gasta o tempo com inventices na cozinha
O que é bom pode ficar muito melhor! | Imagens: Divulgação

O que é bom pode ficar muito melhor! | Imagens: Divulgação

Panetone com glamour

É Natal. Nascimento de Cristo. Orações. Ceia. Festas. Bebida. E muito pé na jaca! Doce, então... Tudo o que você não comeu entre o Ano Novo e o Natal vai comer agora, entre o Natal e o Ano Novo. É assim que funciona. Sempre foi. E já que é pra se lambuzar, vamos fazer a coisa com glamour, né? Panetone? Ok. Brigadeiro? Ok. Que tal os dois juntos? Vamos recheá-lo. Pode ser o panetone tradicional (eu gosto mais!) ou o chocotone. Primeiro faça o brigadeiro com algumas intervenções: leve ao fogo 1 lata de leite condensado, 2 colheres de manteiga, 4 colheres de cacau em pó e 3 colherinhas de chá de café solúvel. Vale até uma pitadinha de canela. Quando começar a soltar da panela, desligue o fogo e deixe esfriar, mas ainda tem de ficar manuseável. Tire a tampa do panetone e retire parte do miolo, deixando as paredes largas (Esse miolo será guardado para outra finalidade). Despeje o brigadeiro no panetone até encher e devolva a tampa. Pode deixar derramar. Faz parte. Derreta uma barra de chocolate meio amargo de 150 gramas e jogue por cima. Geladeira por umas 3 horas e pode enfiar o pé na jaca.


FRASE NOSSA DE CADA DIA
Não se iluda: a única coisa que vai embora e depois volta é a sua fome. Autor desconhecido


SORVETÃO DIFERENTÃO
Receita de cima pronta e na geladeira? Ok. Próxima sobremesa. Vai precisar daquele miolo que retirou do panetone. Misture 200g de sorvete de morango, 100 gramas de morangos picados e 1 pote de cerejas em calda picadas. Junte tudo ao panetone e molde em uma forma de pão, daquelas que são usadas para assar pão-de-forma. Leve ao congelador por 5 horas. Prepare uma calda quente de chocolate ou feita com um copo de suco de laranja, um copo de açúcar e 1 copo de frutas cristalizadas. Corte o sorvete e sirva com a calda quente. Uma taça de espumante gelado cai bem também.

NA CEIA TEM DE TER
# Arroz com amêndoas
# Pernil com laranja
# Farofa de uma-passa com manteiga
# Salpicão de frango defumado com abacaxi
# Pavê de biscoito inglês com creme
# Frutas variadas
# Um bom espumante


DAY AFTER
Acho muito difícil não sobrar nada de pernil da ceia de Natal. Ninguém acaba com tudo, mesmo porque é comida demais! As carnes viram múmias congeladas e são comidas até as vésperas da Semana Santa. Fala se não é! Me lembro de um caldo de peru que comi na casa de uma amiga – não cito o nome nem sob tortura! – que precisou de muita erva fresca para ressuscitar o sabor do bicho. Era início do inverno, final do mês de maio aqui pelas bandas de Goiás. Eu sabia que algo não estava de acordo até que ela revelou que o peru era a sobra da ceia do Natal, cinco meses atrás. Pois... Então, quando acordar no dia 25, vá até a geladeira, retire lascas generosas da sobra do pernil e coloque-as no forno baixo. Enquanto isso, abra o pão francês coloque as camadas: pimentão, cebola e pepino. Acrescente o pernil quente. Nada mais. É uma espécie de brunch pós-ceia que vai resolver sua vida até alguém com responsabilidade acordar e preparar o almoço. Feliz Natal.



RABANADA
Para mim não há nada mais Natal que rabanada. Nem Papai Noel, pra mim, é tão Natal quando as rabanadas. Receitas? Existem aos montes. Esta é a rabanada portuguesa. Minha avó fazia. Minhas tias fazem. Eu como e morro de culpa. Mas como. É assim: corte 1 baguete (ou 4 pães franceses) em fatias médias. Em um refratário, misture 2 xícaras de leite de vaca com 1 lata de leite condensado e mergulhe as fatias de pão até que elas estejam bem molhadinhas. Em outro refratário, bata 3 ovos e adicione 1 colher de chá de canela. Passe as fatias de pão molhadas de leite nos ovos batidos e frite em óleo quente. Escorra as rabanadas em papel toalha, em seguida, passe em um refratário com canela e açúcar a gosto. Sirva quente ou coloque na geladeira para servir gelada. Você também pode substituir o pão por fatias de panetone. Versátil, o rapaz, né?


REPAGINAR, A PALAVRA CHIQUE PARA REAPROVEITAMENTO
Se algum dia alguém chegar a mim e disser, após comer qualquer prato que eu tenha feito, que não prestou, eu nunca mais entro numa cozinha para cozinhar pra alguém. Porque eu acho – e creio nisso! – que uma pessoa que se predispõe a fazer comida para alimentar alguém precisa, no mínimo, fazer algo que preste. Pois bem... Mas fazer algo que preste precisa saber também inventar, aproveitar. Repaginar. Esta é a palavra chique para todas as outras juntas. Experimente: sobrou arroz com lentilha da ceia do réveillon? Um patezinho de atum? Abacaxi? Mistura tudo – inclusive com aquele resto de pernil desfiado que está no congelador desde o dia seguinte à mesma ceia citada acima – acrescente ervas frescas (por isso são frescas! – infame, esta. Desculpem) – 1 cebola de cabeça ralada, raspas de limão (isso dá um frescor. É uma forma de ressurreição.), queijo parmesão ralado, pimenta do reino moída na hora. Misture tudo, regue com azeite e leve ao forno. Pronto!

MARIANDAS VARIADAS (DE VERDADE)
A marinada é uma técnica culinária que consiste em colocar um alimento, geralmente uma peça de carne, numa mistura de líquido, sal, ervas, temperos e algum componente ácido, como o vinagre. Os ingredientes podem ficar a marinar desde alguns minutos até várias horas.

Para aves – 3 cebolas grandes, 2 raminhos de tomilho, 6 dentes de alho, 1 colher de café de pimenta do reino, 4 colheres de vinagre, 1 pitada de pimenta calabresa, 1 molho de salsa fresca e sal a gosto. Tudo no liquidificador. Esfregue na ave e leve-a para a geladeira dentro de um saco plástico por, pelo menos, 6 horas.

Para suínos – 4 cebolas grandes, 3 ramos generosos de alecrim, 1 cabeça de alho, pimenta do reino e pimenta malagueta em conserva – ou fresca – a gosto, 4 folhas de louro, 4 colheres de vinagre, 1 xícara de vinho tinto seco de boa qualidade, 1 talo de salsão com as folhas e sal. Tudo no liquidificador e pelo menos 6 horas na geladeira.

Para caças – 4 cebolas grandes, 3 ramos de sálvia, 4 dentes de cravo-da-índia, 1 pitada de canela em pó, 1 cabeça de alho, pimenta, pimenta do reino e sal a gosto, 1 copo de vinho branco seco de boa qualidade e azeite. Liquidificador e, pelo menos, 8 horas de geladeira.

Seja o primeiro a comentar

* Campos Obrigatórios. **Seu email não será divulgado