Omar Layunta, Leo Romano e Leandro Pires: parceria para revitalização do Santana | Imagem: Divulgação

Omar Layunta, Leo Romano e Leandro Pires: parceria para revitalização do Santana | Imagem: Divulgação

Museu a céu aberto

Projeto de revitalização pretende colocar Cemitério Santana no roteiro turístico da capital goiana

O Cemitério Nossa Senhora de Santana, que completa 75 anos em 2015, ganhará em breve status de atração turística e cultural da Capital goiana. Um projeto de revitalização, idealizado pelo consultor de empresas Leandro Pires e o empresário Omar Layunta, e iniciado em outubro do ano passado, começa a ganhar corpo nesse mês de janeiro, com o sinal verde da iniciativa privada e de instituições oficiais.  

O desejo da dupla é transformar o local em ponto de visitação para além das datas oficiais, abrindo o espaço para exposições de arte, eventos literários, apresentações musicais e oportunidade de conhecer  mais sobre a cultura do Estado por meio da história dos pioneiros que ali foram sepultados, assim como ocorre no cemitério Père-Lachaise, uma das atrações turísticas mais famosas de Paris, com mais de dois milhões de visitantes por ano, e que consta em todos os guias de viagem sobre a Cidade Luz.

O projeto nasceu em uma conversa informal entre os seus idealizadores – o primeiro, um empreendedor que está sempre de olho nas oportunidades que estimulem e valorizem a cultura goiana e, o segundo, empresário do ramo de serviços funerários que já rodou o mundo para conhecer cemitérios, desde os mais simples aos mais famosos. Layunta é vice-presidente do Sindicato das Empresas Funerárias, Cemitérios e Crematórios de Goiânia e Região Metropolitana (SEFEC) e diretor da Associação das Empresas Funerárias do Estado de Goiás (AEFEGO).

Para isso, o Santana terá de passar por uma readequação completa, com a finalidade de promover melhorias à acessibilidade, oferecer conforto aos visitantes e torná-lo esteticamente mais agradável, levando-se em conta, é claro, todo o acervo histórico. "O projeto pretende desmitificar o funeral como sendo o fim e trazer a sociedade para perto de um acontecimento tão natural que é a morte", argumenta Layunta. Para a execução do projeto de arquitetura, a dupla convidou o arquiteto Leo Romano, conhecido por criar ambientes arrojados e inspiradores, que aceitou de prontidão o novo desafio.

O projeto prevê o levantamento da história das personalidades sepultadas no local, bem como o mapeamento dos seus jazigos, a fim de construir um roteiro de visitas auto guiadas tanto no local quanto online. "Vamos criar um aplicativo que poderá ser acessado pelo celular, oferecendo a localização e um breve histórico da figura ilustre, além de um site institucional", explica Pires. Para isso, está prevista a contratação de um especialista em patrimônio histórico cultural que auxiliará na tarefa de pesquisa e estudo e dará suporte à todas as ações e intervenções.

Dentre as várias ações está a busca de parceria com as faculdades de Design de Moda, que por meio de trabalhos acadêmicos, por exemplo a criação de uma coleção de moda, o alunos poderão pesquisar e adotar o Santana como tema.

Nos 290 mil metros quadrados do cemitério mais antigo da cidade foram sepultados até hoje mais de 50 mil pessoas, entre elas, personalidades como o fundador da cidade, Pedro Ludovico Teixeira, e sua esposa, Gercina Borges; o primeiro prefeito, Venerando de Freitas; o empresário Jaime Câmara; o senador Alfredo Nasser; o apresentador de programa de TV coronel Hipopota, considerado o "Chacrinha goiano"; padre Pelágio Sauter, que em 2014 recebeu do Papa Francisco o título de venerável, e que recebe constantemente visitas de fiéis, entre outros.

Construído em 1939, com o registro do primeiro sepultamento em 1940, o Santana é o mais tradicional cemitério da cidade, com um acervo histórico cultural riquíssimo, com grandes esculturas de bronze e mármore. O Santana é considerado também um dos poucos com traços do art déco, o que vem fortalecer o posicionamento de Goiânia como a segunda maior cidade do mundo com acervo inspirado nesse movimento, ficando atrás apenas de Miami. Em 2000, o Cemitério Santana foi tombado Patrimônio Histórico do município. O lançamento oficial do projeto deve ocorrer em abril próximo.

A Prefeitura de Goiânia, por meio da Companhia de Urbanização de Goiânia (COMURG), da Secretaria Municipal de Assistência Social (SEMAS) e da Secretaria de Esporte, Lazer e Turismo (SETEL), já assinalou ser favorável ao projeto. "Fomos muito bem recebidos pelos secretários de cada pasta municipal, quando em reunião apresentamos o projeto. Precisamos e dependemos do envolvimento e comprometimento do poder público municipal, estadual e também de empresas privadas que, assim como nós, valorizam e se interessam por divulgar a nossa história", diz Leandro Pires.

1 comentário

Luiz Albuquerque

Museu a céu aberto em Goiânia. O cemitério tem jazigos ricos em detalhes, imponentes e com esculturas em bronze. Tudo isso e muita historia tem mobilizado para uma nova atração turística. Como nas grandes capitais em alguns países. Veja mais em: http://todasfunerarias.com.br/projeto-vai-transformar-cemiterio-de-goiania-em-atracao-turistica/
* Campos Obrigatórios. **Seu email não será divulgado