A África de Pierre Verger no MAC

Composta por fotografias em preto e branco, a mostra Nos Caminhos Afro já foi vista por mais de oito mil pessoas durante exibição na Paraíba, Piauí e Mato Grosso do Sul 

Engrossando a estimulante pauta de exposições do Museu de Arte Contemporânea, do Centro Cultural Oscar Niemeyer – que abriu a semana com a inédita mostra do artista Marcelo Solá–, entra em cartaz, nesta sexta-feira, 5, Nos Caminhos Afro, de Pierre Fatumbi Verger, fotógrafo franco-brasileiro radicado na Bahia, cujo trabalho autoral sobre cultura negra é reconhecido internacionalmente.

A exibição da exposição em Goiás marca a última etapa de um projeto de itinerância que percorreu outras três cidades brasileiras. Antes de chegar a Goiânia, a série de fotografias foi vista por mais de oito mil pessoas em Campina Grande (PB), Teresina (PI) e Campo Grande (MS).

De notável qualidade plástica, as fotografias que compõem a exposição revelam a proximidade de povos de origem afrodescendente com o continente-matriz, a África. São registros em preto e branco sobre o cotidiano, a cultura e a religiosidade de descendentes de africanos no Brasil e em mais de 20 países.
Fotógrafo Pierre Verger, cujo trabalho fotogrático será exibido até novembro no MAC Goiás 

Nos Caminhos Afro é um convite a uma viagem no tempo com destino às sutilezas e às peculiaridades do universo interpretado por um fotógrafo-viajante, que realizou longas expedições de 1932 a 1970. O interesse de Verger pelo povo de origem africana o levou a destinos como Cuba, Haiti, Serra Leoa, Santo Domingos, Estados Unidos, etc.

Além das fotografias, os visitantes podem assistir dois vídeos Olhares Nômades (2005) e Mensageiro entre dois mundos (1999). O primeiro é composto por trilha sonora original e 600 fotografias sobre cultura popular nordestina. Já o segundo trata-se do documentário de Lula Buarque de Holanda, no qual Verger aparece em sua última entrevista antes de morrer, em 1996, feita pelo cantor Gilberto Gil.

Pierre Edouard Leopold Verger nasceu em Paris em 1902. Depois de perder a família, aos 30 anos, passou a exercer a carreira de fotógrafo jornalístico, especialista em imagens em preto e branco. Usava uma máquina Rolleiflex, que hoje se encontra na Fundação Pierre Verger. Suas fotografias foram publicadas em revistas como Paris-SoirDaily Mirror (com o pseudônimo de Mr. Lensman), Life,Match. Em 1953, Verger viveu na África o “renascimento” a partir de uma iniciação religiosa, recebendo o nome de Fatumbi. Significa “nascido de novo graças ao Ifá”.

Para o curador da exposição, Alex Baradel, a escolha dos destinos foi fundamental no processo de montagem do projeto. “Escolhemos cidades que receberiam uma exposição de Verger pela primeira vez. Fizemos questão de mapear museus fora do eixo Sul-Sudeste, que, por tradição, já recebem grandes exposições”, explica. Antes da itinerância, Nos Caminhos Afro foi exibida pela primeira vez em 2012, em Vitória (ES), onde foi vista por mais de cinco mil pessoas. O projeto de itinerância é uma realização da Fundação Pierre Verger com financiamento da Petrobras por meio do Programa de Incentivo Petrobras Cultural. (com release da Fundação Pierre Verger)


SERVIÇO
Exposição Nos Caminhos Afro
Data: 5 de setembro a 30 de novembro
Horário: Terça a domingo, das 10 às 16 horas
Local: Museu de Arte Contemporânea – Centro Cultural Oscar Niemeyer
Contato: (62) 3201-4905| www.ccon.go.gov.br
Endereço: Av. Deputado Jamel Cecílio, 4490, Setor Fazenda Gameleira

Seja o primeiro a comentar

* Campos Obrigatórios. **Seu email não será divulgado