Tachada sendo preparada no 9º Festival Gastronômico e Cultural de Pirenópolis | Imagens: Flávio Isaac

Tachada sendo preparada no 9º Festival Gastronômico e Cultural de Pirenópolis | Imagens: Flávio Isaac

Tradição caipira

9º Festival Gastronômico e Cultural de Pirenópolis resgata a cultura das tachadas com a chef Mara Salles preparando jabá na presença do público

A cozinha caipira ganhou destaque na programação do 9º Festival Gastronômico e Cultural de Pirenópolis, com o resgate da cultura das tachadas. Na feira gastronômica instalada nos fundos da Igreja da Matriz – um dos cartões portais da cidade – o turista teve a oportunidade de conhecer uma autêntica cozinha da roça. Fogão a lenha e o tacho – a grande aposta do festival – são usados para preparar receitas das oficinas, que são posteriormente degustadas pelos visitantes, informa o release para imprensa.

“Tachadas são as comidas feitas para muita gente em tachos enormes e que é bem típico da roça, da cultura caipira”, conta o chef Humberto Marra, coordenador e curador do evento, ressaltando ainda que a ideia foi trazida de uma feira gastronômica que visitou no Peru. “Fiquei impressionado como as pessoas adoraram participar de todo processo da criação dos pratos e achei que era uma excelente ideia para o festival daqui”.

Mara Salles, cozinheira de ofício e chef do premiado Tordesilhas, há 23 anos na cidade de São Paulo, foi uma das que se encantou com a novidade.Ela fez a oficina Tem jabá no tacho, segundo dia do evento, ontem 23, para uma plateia ávida em aprender e, claro, provar a delícia que serviu cerca de 100 pessoas.

Mara conta que conhece as tachadas desde a infância quando sua mãe preparava porco para toda família e também fazia com os restos do torresmo sabão no tacho, “O que todo mundo gosta quando está cozinhando é ver. Você é autor e espectador da transformação do alimento. De tudo que está transformando com o fogo, com a textura, com as cores que vão mudando. Todo mundo adora. É muito magnético”, opina a chef.

Chef Mara Salles prepara no jabá no tacho: resgate da cultura da comida de roça

Mara usou o tacho pela primeira vez e confessa que ficou apreensiva. “Tacho é coisa para gente grande, mas deu tudo super certo e ainda contei com a ajuda maravilhosa dessa turma jovem de estagiários”.

O prato que levou jabá (carne seca), linguiça, feijão manteiguinha, farofa de milho, quiabo, jiló e banana da terra com casca, pimenta rabo de macaco e foi servido com batata doce assada na brasa fez sucesso entre os comensais. “Estou achando o formato do festival maravilhoso, muito próximo e humano. E a comida está divina”, opinou a moradora de Brasília, Viviane Fernandes, 47 anos, pela primeira vez no festival.

Além da tachada de Mara Salles, os visitantes também puderam fazer as oficinas dos chefs Tatiana Maia, Ângelo Carlos e Daniela Martins. Cada um deles usou o tacho para diferentes preparos. Tatiana fez carne de porco com falso cuscuz e cajuzinho, Ângelo fez uma espécie de caldo de mocotó usando rabo e pé de gado curraleiro com mandioca e Daniela Martins trouxe da sua terra natal, Pará, uma receita de farofa de peixe. (Com assessoria de imprensa do festival)

1 comentário

Humberto

Bela cobertura e imagens.
* Campos Obrigatórios. **Seu email não será divulgado