Detalhe da obra de Marcus Camargo, em exposição no Sesc Centro | Imagens:  Layza Vasconcelos

Detalhe da obra de Marcus Camargo, em exposição no Sesc Centro | Imagens:  Layza Vasconcelos

Arte na poesia, poesia na arte

Exposição coletiva no Sesc Centro apresenta instalações inspiradas na obra da escritora e atriz Elisa Lucinda


A obra da poetisa, jornalista, cantora e atriz brasileira Elisa Lucinda é o ponto de partida da exposição coletiva que será aberta hoje, 24 de maio, às 18 horas, no Sesc Centro. Os artistas que participam da mostra são Marcos Branquinho, com a instalação Coração de Semelhante, Hal Widson com Terra Habitada e Marcus Camargo com Luz-inda. Os três se inscreveram no Projeto Sesc Arte Literatura e foram selecionados para a exposição que permanece em cartaz até 30 de junho.

A proposta do projeto é a criação de obras de arte a partir dos escritos de um autor brasileiro. Em 2014 serão realizadas três exposições de artistas plásticos na Unidade do Sesc Centro. Para cada evento serão selecionados artistas que farão uma exposição coletiva que contará com diversas ações, como visitas monitoradas para alunos de diversas instituições, "esquecimento" de livros do autor da vez em pontos da cidade, exibição de vídeo documentário sobre a exposição e muito mais.

Para criar a instalação, o artista plástico e performer Marcos Branquinho utilizou tinta acrílica, guache, tela, MDF, fotocópias, espelhos e tecidos. Nela, "o universo das palavras vira uma civilização, uma raça, um povo simbólico à parte, para fazer a festa das versões". Completa a participação do artista, uma performance com duração de 8 minutos.

Branquinho profissionalizou-se em dança com o Corpo de Baile Municipal de Goiânia, no Centro Livre de Artes e no Balé Jovem do Gustav Ritter. Fundou com o artista plástico Marcelo Henrique, o grupo experimental em performance arte O Antibalé. Estudou com o artista plástico Alexandre Liah na Escola de Artes Visuais da Secult-GO e iniciou-se no ofício do desenho participando de várias coletivas.

No projeto Terra Habitada, Hal Wildson, 22, propõe uma investigação poética sobre o invisível, uma metáfora sobre o que transcende o biológico. O que habita o coração das multidões? Quais histórias adubam o terreno dos nossos sonhos? O que floresce no seu peito? Terra Habitada é uma alegoria visual sobre poesia e emoções, revelando através do processo do artista poemas entrelaçados, sementes pinceladas.

Dentro do projeto, a poética do artista ‘amor e busca’, investiga as relações humanas em uma construção visual que questiona a invenção do amor, como a luz que ascende a alma: terra habitada. Hal Wildson é autodidata e cresceu no interior de Goiás. A ausência de um berço familiar moldura a história do artista que busca nas poéticas urbanas preencher estas lacunas existenciais.

Marcus Camargo, um artista multifacetado, nascido na terra de Cora Coralina, tem 22 anos. Sua intervenção é composta por telas de 1x1m20 - nas quais  utilizou diversas técnicas, como acrílica, grafite, pincel, caneta - que estão no interior de uma caixa de três metros quadrados. Dentro da caixa há também um pendente de acrílico, com trechos de poemas gravados a laser.


Marcus Camargo: instalação permite interação com o espectador

O espectador interage com a obra, entrando na caixa. "O poema que é luz, luz que é poema. O que a luz ilumina é o reflexo que o poema diz", afirma o artista em sua apresentação. O espaço promove um diálogo entre as pinturas e ilustrações do artista, a luz/poesia e o espectador.

O artista vilaboense é formado em Artes Visuais (bacharel em Design de Interiores) pela Universidade Federal de Goiás e desenvolve diversos tipos de trabalhos dentro dos amplos caminhos das artes visuais: pintura, ilustração, cenografia, design de ambientes/produto, fotografia, design gráfico, etc. Atua também como bailarino, campo que se destaca pela forte identidade artística, construída com muito talento e apuro estético/conceitual.

Elisa Lucinda, que estará presente na abertura da exposição. é considerada a artista da sua geração que mais populariza poesia. Seu modo coloquial de se expressar faz com que o mais complexo pensamento ganhe fácil compreensão. Junto com Geovana Pires ela criou a Companhia da Outra, grupo teatral que desenvolve sua linguagem de teatro essencial através da poesia.

A poetisa é fundadora da Casa-Poema, instituição sócio-educativa cujo método capacita vários profissionais através da poesia falada, desenvolvendo-os em sua capacidade de expressão e na sua formação cidadã.

PROGRAME-SE
Exposição coletiva a partir das poesias e textos de Elisa Lucinda
Data: 24 de maio a 30 de junho
Local: Sesc Centro (Rua 15, esquina com a Rua 19, Centro. Goiânia – GO)
Horário: segunda a sexta das 8h às 20h
Sábado das 16h às 20h
Domingo das 15h às 17h
Visitas monitoradas de segunda a sábado das 16h às 20h
Agende visitas monitoradas pelo e-mail: teatrosesccentro@gmail.com

Seja o primeiro a comentar

* Campos Obrigatórios. **Seu email não será divulgado